Talvez o leitor possa considerar que o título desta obra sugira que alguém necessite desfazer-se de alguma coisa. A licença poética, contudo, permite-me transformar o substantivo “livro” em verbo. Neste caso, o verbo “livrar-se” toma para si o sentido do substantivo e deixa de significar tornar-se livre de alguma coisa, passando a exprimir a ideia de transformar-se em livro.
 Esta é a minha segunda coletânea de crônicas. Penso que agora estou definitivamente me livrando, isto é, traduzinho, cada vez mais, ideias em palavras, transformando-as em livros. Quando faço este movimento – que se inicia de fora para dentro, mas que só se concretiza quando expresso reflexões em palavras escritas -, livro-me. Quando livro-me, as ideias não me pertencem mais, ganham mundo, vão viajar por onde nem se pode imaginar.
 Contudo, eu também acabo me livrando, no sentido literal, tornando-me mais leve, quando faço materializarem-se, no papel, sentimentos relacionados às dores do mundo, da alma e de amores de que falava na minha obra anterior. Palavralgia, e que continuo abordando no presente trabalho.
 Livro-me quando ponho a esburacada alma para fora. Só a sutil matéria de que é formada a imaginação é passível de preenche-la, transformando o que é oco em algo mais substancial.
 Então, em vez de pedir a Deus que me livre, digo “Deu me livro”, doando, assim, um pouco de alma, uma pequena contribuição, com aquilo que mais gosto de fazer: livrar-me.

Então, livrai-me, Senhor!

 Serviço

Livro-me – Áurea Stela

Formato: 14x21 cm

Páginas: 122

ISBN: 978-85-8442-144-2

Assunto: Crônicas e poesias

Acabamento: Brochura

Preço: R$ 24,90

 

Tags: palavralgia